Sejam bem vindo ao Blog Terapia Ocupacional de São José do Rio Preto - SP.

Aqui você fica informado sobre cursos, novidades da profissão, acompanha textos, deixa comentários e muito mais!
Tenho certeza que todos os Terapeutas Ocupacionais sentem falta de sites da nossa área.
Por isso, quero um blog que aproxime mais os profissionais, afim de trocarmos experiências, conhecimentos, informações e tudo o que for possível... além de lutar por nossa profissão, que é tão linda!!!
Ah! Aqui tem indicações de sites para leitura, com algumas partes que eu escrevi, e outros muito interessantes para acrescentar em nosso dia a dia.
Um abraço à todos os visitantes!

DEFINIÇÃO DE TERAPIA OCUPACIONAL

Terapia Ocupacional é a ciência que estuda a atividade humana e a utiliza como recurso terapêutico para prevenir e tratar dificuldades físicas e/ou psicossociais que interfiram no desenvolvimento do cliente em relação às atividades de vida diária, trabalho e lazer. É a arte e a ciência de orientar a participação do indivíduo em atividades selecionadas para restaurar, fortalecer e desenvolver a capacidade, facilitar a aprendizagem daquelas habilidades e funções essenciais para a adaptação e produtividade, diminuir ou corrigir patologias, promover e manter a saúde.



LOCAIS ONDE EXERCEM SUAS ATIVIDADES:

Hospitais Gerais; Ambulatórios; Consultórios; Centros de recuperação bio-psico-social; Sistemas Prisionais; Órgão de controle social; Creches e Escolas; Empresas.


Sobre mim:

Mestranda na Famerp - Rio Preto - SP

Especialista em Terapia da Mão e Reabilitação do Membro Superior;

Especialista em Terapia Ocupacional Dinâmica em Neurologia;

Aprimoramento em Terapia Ocupacional;

Confecção de órteses estáticas, dinâmicas e progressivas;

Aplicação de bandagem terapêutica Kinesiotaping;

Consultoria para empresas que contratam pessoas com deficiência;

Cursos em que me capacitei: Neuropsicologia em Terapia Ocupacional; Integração Sensorial; Psicomotricidade;

Supervisão de casos clínicos e orientação de pesquisas;

Instagran: @pryscilla_to

Site: www.cirurgiadamaoriopreto.com.br

Fanpage: www.facebook.com/cirurgiadamao





Contato

Minha foto
São José do Rio Preto, SP, Brazil
Consultório de Terapia Ocupacional / Terapia da Mão (17) 3033-2430 / (17) 99716-8201 - Georgina Business Park - Rua Benedito Rodrigues Lisboa, n° 2675, bairro Jd Palmeiras - São José do Rio Preto - SP / pryscilla@gmail.com

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O risco do telefone celular!!




Uma pessoa estava carregando seu telefone celular em casa.
Então veio uma chamada e ele atendeu quando o telefone ainda estava ligado à rede elétrica.
Após alguns segundos, o telefone explode e o rapaz foi jogado ao chão. 
Os pais correram para o quarto e encontrou-o inconsciente, com um pulso baixo e os dedos queimados. Levaram-no ao hospital, que declararam como morto na chegada...

Esta é apenas mais uma estória verídica que relata o risco do uso do celular quando ligado na energia.
Os telefones celulares são uma invenção muito útil, mas também devemos estar conscientes de que eles são um instrumento de morte.
Nunca use o telefone móvel enquanto estiver ligado à rede!
 Se você estiver carregando seu celular e receber uma chamada, desligue a energia antes de atendê-lo!

Fonte: Não anunciada.

Curso: Intervenção em Neuropediatria


II Seminário de Pesquisa em Tecnologia Assistiva


II Seminário de Pesquisa em Tecnologia Assistiva
Tema:  A relação do Mercado e da Pesquisa em TA no Brasil

Data: 8/12 
Horário:  8:00 às 19:00

Responsável pela organização: Centro Interdisciplinar de Assistência e Pesquisa em Envelhecimento – CIAPE ; www.ciape.org.br

Público Alvo: Pesquisadores e usuários de TA

Objetivo do evento:
Possibilitar a pesquisadores da área de Tecnologia Assistiva a discussão pública de projetos de pesquisa (pesquisas concluídas recentemente). 

Local:   ETEC Parque da Juventude
Av. Cruzeiro do Sul, 2630 – Santana – São Paulo – SP – Metrô Carandiru

Comissão científica :
John Stone, CIRRIE, SUNY at Buffalo
Maria A. F. Mello, CIAPE, TECHNOCARE, FCMMG
Carla Mauch, MAIS DIFERENÇAS
Peter Hiller, SALVAPÉ
Flávia Boni Litch,
Ana Rita de Paula,
José Beiral, CTI
Wilson Zampini, OTTOBOCK
Fernando Ribeiro, SDH


Programação:

8:00 - Credenciamento

8:30 - Conferência de Abertura:
Os rumos da Pesquisa em Tecnologia Assistiva no Brasil
José Beiral, CTI

9:15 – 9:30 – Discussão

9:30 – Mesa Redonda 1 – O mercado de Tecnologia Assistiva no Brasil e sua interface com as instituições de pesquisa
                Moderador:  Maria A. F. Mello
Tema 1 – O mercado de TA no Brasil
                               Paula Oliveira, LOH Medical
                               Wilson Zampini, Ottobock
                              
            Tema 2 – Dificuldades de Colocação de Produtos Desenvolvidos em Instituições de Pesquisa no Mercado;
            Geraldo Figueiredo Da Silveira Filho - DRVC - Divisão de Robótica e Visão Computacional, CTI
            Jorge Vicente Lopes Da Silva - DDP - Divisão para o Desenvolvimento de Produto, CTI                                            
               

13:00 – 14:00  Almoço

14:00 – Mesa Redonda 2
                Coordenador John Stone
Estudo de caso de desenvolvimento de produto: a interface de especialistas no desenvolvimento de produtos de alta tecnologia a baixo custo.
Dra. Ana Rita De Paula
Dra. Maria de Mello
César Augusto Martins Pereira
Mary Aya Hirasawa

16:00 – Princípios científicos utilizados na criação de selo de qualidade de produtos e serviços para pessoas com deficiência no Brasil
Coordenador:  Pedro Hiller
                Apresentação: Rodrigo Rosso, ABRIDEF
(15 minutos de apresentação e 15 de discussão)

16:30 – Sessão de Pôsteres
(todos os membros da comissão científica e participantes visitam a sessão de pôsteres) 

17:45 – Conferencia Final
Coordenadora:  Ana Rita de Paula
         Análise das iniciativas de fomento à pesquisa em TA a partir do Programa Sem Limites  Victor Mammana, CTI 

18:30 - Encerramento
     

domingo, 2 de dezembro de 2012

AVC: governo alerta para principal causa de mortes



Ministério da Saúde alerta para os perigos da doença, que está entre as mais letais do mundo. Só no Brasil, o número de vítimas fatais por AVC chega a quase 100 milhões de pessoas: passou de 84.713, em 2000, para 99.726, em 2010. Atualmente, a doença é responsável pela primeira causa de mortes registradas no país.
“Para que consigamos reduzir a taxa de mortalidade é fundamental que a população recorra aos serviços de saúde”, afirma o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. “Mas, também é necessário que as pessoas se empenhem em adotar hábitos de vida mais saudáveis. A atividade física, sob supervisão adequada, é benéfica para a saúde em geral e retarda o aparecimento de doenças importantes, como o AVC”, completa o ministro.
Avanços – Apesar de ocupar o primeiro lugar no ranking geral de óbitos, a taxa de mortalidade por AVC na faixa etária que considera esses óbitos como mais evitáveis – isto é, até os 70 anos de idade – reduziu 32,6% entre 2000 e 2010. Nesta faixa, o índice caiu de 27,3 para 18,4 mortes para cada 100 mil habitantes, o que representa uma redução média anual de 3,2%. Em 2010, foram registrados 33.369 óbitos de pessoas com até 70 anos, por AVC.
Ano passado, foram realizadas 179.185 internações por AVC (isquêmico e hemorrágico), que custaram R$ 197,9 milhões para o Sistema Único de Saúde. Para ampliar a assistência a vítimas de Acidente Vascular Cerebral, o Ministério da Saúde investirá R$ 437 milhões no SUS até 2014. Deste total, R$ 370 milhões vão financiar leitos hospitalares. Os outros R$ 96 milhões serão investidos na incorporação e oferta do medicamento trombolítico alteplase.
Sintomas – Popularmente conhecido como derrame, o AVC atinge 16 milhões de pessoas no mundo a cada ano. Destes, seis milhões morrem – ou seja, 38%. Os sintomas mais comuns do Acidente Vascular Cerebral são a perda de força muscular de um lado do corpo, fala enrolada, desvio da boca para um lado do rosto, sensação de formigamento no braço, dores de cabeça súbita ou intensa, tontura, náusea e vômito.
Em casos de identificação desses sinais, o Ministério da Saúde recomenda a chamada urgente do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), pelo número 192. “Em caso de AVC ou qualquer outra urgência, o atendimento rápido pode minimizar o risco de morte e/ou sequelas”, afirma Paulo de Tarso Abrahão, coordenador de Urgência e Emergência do Ministério da Saúde.
A doença ocorre devido à alteração na circulação cerebral. No AVC isquêmico há a obstrução de um vaso sanguíneo cerebral, levando à diminuição da circulação em determinada região do cérebro. No hemorrágico, acontece a ruptura de um vaso sanguíneo, com sangramento dentro do cérebro. Os principais fatores de risco são a hipertensão, o diabetes, o colesterol elevado e o tabagismo.
Assistência – Com o aprimoramento de toda a rede de atendimento no SUS, o governo federal quer acelerar a redução da taxa de mortalidade por AVC. O Ministério da Saúde – que, este ano, instituiu a Linha do Cuidado do AVC – orienta que o tratamento deve incluir, necessariamente, a rede básica de saúde, o SAMU 192, as unidades hospitalares de emergência e leitos de retaguarda, a reabilitação ambulatorial, o ambulatório especializado e os programas de atenção domiciliar, entre outras estratégias de atendimento à população.
A assistência preconizada pelo ministério prevê o uso do medicamento alteplase somente em casos de AVC isquêmico. Aplicado até quatro horas e meia depois dos primeiros sintomas, o medicamento diminui em 30% o risco de sequelas do AVC. Isso significa a recuperação do quadro neurológico de mais pacientes comparando-se com aqueles que não recebem o tratamento com alteplase, além de reduzir em 18% a mortalidade.
Rede Hospitalar – Atualmente, há mais de 200 hospitais com condições de realizar atendimentos a pacientes com AVC. As instituições são habilitadas como centros ou unidades que tratam vitimas da doença. Além disso, esses locais podem usar o medicamento alteplase para o tratamento às vitimas de AVC isquêmico.
Fonte: site
                                                                                 Tratamento
A pessoa com sequela de AVC necessita de tratamento multidisciplinar, inclusive do Terapeuta Ocupacional.  Este profissional realiza a reabilitação física para recuperação das AVDs (atividades de vida diária - alimentação, higiene, vestuário), pois devido a sequela, esta pessoa geralmente fica com grande dificuldade nestas habilidades. Confecciona órtese (tala) quando necessário, para evitar deformidades na mão, e quando o paciente apresenta perda de memória ou déficits cognitivos, o Terapeuta Ocupacional aplica o método de reabilitação cognitiva.
Se você conhece ou apresenta sequela de AVC, conheça um pouco mais sobre o tratamento de Terapia Ocupacional, e não deixe de iniciá-lo logo após alta hospitalar. assim, a recuperação poderá ser mais abrangente, se tornando assim, mais independente no seu dia a dia.
Agende uma avaliação:
Clínica de Terapia Ocupacional. Telefone (17) 3033-2430.

Desenvolvimento normal do bebê