Sejam bem vindo ao Blog Terapia Ocupacional de São José do Rio Preto - SP.

Aqui você fica informado sobre cursos, novidades da profissão, acompanha textos, deixa comentários e muito mais!
Tenho certeza que todos os Terapeutas Ocupacionais sentem falta de sites da nossa área.
Por isso, quero um blog que aproxime mais os profissionais, afim de trocarmos experiências, conhecimentos, informações e tudo o que for possível... além de lutar por nossa profissão, que é tão linda!!!
Ah! Aqui tem indicações de sites para leitura, com algumas partes que eu escrevi, e outros muito interessantes para acrescentar em nosso dia a dia.
Um abraço à todos os visitantes!

DEFINIÇÃO DE TERAPIA OCUPACIONAL

Terapia Ocupacional é a ciência que estuda a atividade humana e a utiliza como recurso terapêutico para prevenir e tratar dificuldades físicas e/ou psicossociais que interfiram no desenvolvimento do cliente em relação às atividades de vida diária, trabalho e lazer. É a arte e a ciência de orientar a participação do indivíduo em atividades selecionadas para restaurar, fortalecer e desenvolver a capacidade, facilitar a aprendizagem daquelas habilidades e funções essenciais para a adaptação e produtividade, diminuir ou corrigir patologias, promover e manter a saúde.



LOCAIS ONDE EXERCEM SUAS ATIVIDADES:

Hospitais Gerais; Ambulatórios; Consultórios; Centros de recuperação bio-psico-social; Sistemas Prisionais; Órgão de controle social; Creches e Escolas; Empresas.


Sobre mim:

Mestranda na Famerp - Rio Preto - SP

Especialista em Terapia da Mão e Reabilitação do Membro Superior;

Especialista em Terapia Ocupacional Dinâmica em Neurologia;

Aprimoramento em Terapia Ocupacional;

Confecção de órteses estáticas, dinâmicas e progressivas;

Aplicação de bandagem terapêutica Kinesiotaping;

Consultoria para empresas que contratam pessoas com deficiência;

Cursos em que me capacitei: Neuropsicologia em Terapia Ocupacional; Integração Sensorial; Psicomotricidade;

Supervisão de casos clínicos e orientação de pesquisas;

Instagran: @pryscilla_to

Site: www.cirurgiadamaoriopreto.com.br

Fanpage: www.facebook.com/cirurgiadamao





Contato

Minha foto
São José do Rio Preto, SP, Brazil
Consultório de Terapia Ocupacional / Terapia da Mão (17) 3033-2430 / (17) 99716-8201 - Georgina Business Park - Rua Benedito Rodrigues Lisboa, n° 2675, bairro Jd Palmeiras - São José do Rio Preto - SP / pryscilla@gmail.com

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Estória sobre Alzheimer e Parkinson


A desconfiança virou certeza. E a família da turismóloga Amanda Leitão, de 25 anos, viu a necessidade de ir se transformando para se adequar à nova realidade: o chefe da casa, o capitão José Walmir Moreira, de 65 anos, hoje na reserva da Polícia Militar, não conseguia mais liderar os comandos. O primeiro sintoma foi a intensificação de um mal. “Papai é viciado em jogo. E a gente passou a ter certeza (do Alzheimer) quando ele deixou de pagar as contas para gastar mais de mil reais na loteria”. A doença piorou a compulsão.
A jovem abre a intimidade e as minúcias da rotina para ajudar outras famílias. A doença, que nas primeiras descobertas científicas era classificada de “mal”, converte toda a casa e faz uma ebulição. A princípio, tem todos os predicados de um mal. Vai apagando, aos poucos, a memória das coisas recentes e mais simples. Para, no fim, deixar apenas o corpo de lembrança aos parentes e amigos.
A família de Virgínia Monte enfrentou mudanças semelhantes. Maria de Lurdes, de 86 anos, tia do seu marido, João Monte, apresentou os primeiros sinais de doença de Parkinson há quase 20 anos e a dona de casa assumiu os cuidados com ela. “Aprendemos que só o amor e o carinho podem ajudar o idoso a ter uma vida com a qualidade possível”, ensina. A degeneração do sistema nervoso foi lenta, mas já progrediu ao ponto de a tia ter dificuldades de articular algumas palavras e de conseguir deglutir alimentos. “Ela agora precisa de afeto”, acalenta.
Tratamento
Há cerca de 40 anos, a realidade das famílias dos pacientes com Parkinson e Alzheimer, no Brasil, era de conformidade. “Era considerado ‘normal’, ‘sem jeito’ e ‘doença de velho’. Então, não se costumava fazer tratamento para se reverter a condição”, afirma o geriatra João Macêdo, professor da Universidade Federal do Ceará (UFC). As mudanças começaram a acontecer à medida que os “males” foram reconhecidos como doença. Assim, além da medicina, terapias passaram a ser incorporadas ao tratamento.
“A terapia ocupacional, inicialmente, avalia as funções físicas, cognitivas e sociais do indivíduo. Os métodos são selecionados de acordo com as potencialidades e limitações do paciente”, cita a terapeuta ocupacional Ana Paula Carvalho. Ou seja, é um tratamento que busca possibilitar a dignidade ao paciente. Segundo Ana Paula, é importante insistir no trabalho das atividades que priorizem a preservação das funções da vida diária. O estímulo é para o paciente alcançar seu nível máximo de função e independência.
Por enquanto, reversão ou cura não são realidades. O que o tratamento médico, fonoaudiólogo e terapêutico, dentre outros, faz é retardar o avanço dos sintomas. “Com a evolução, o paciente vai perdendo a independência paulatinamente, já que se trata de doenças degenerativas progressivas”, confirma Ana Paula Carvalho. Muito em breve, defendem os especialistas, não vai ser comum que idosos fiquem esquecidos. Vai se normalizar a possibilidade de preservação na memória, por exemplo, do seu companheiro de uma vida inteira.
Veja mais no site

Internet tem efeito similar ao de drogas ou álcool no cérebro, diz pesquisa


        
 Viciados em internet têm alterações similares no cérebro àqueles que usam drogas e álcool em excesso, de acordo com uma pesquisa chinesa.
Cientistas estudaram os cérebros de 17 jovens viciados em internet e descobriram diferenças na massa branca - parte do cérebro que contém fibras nervosas - dos viciados na rede em comparação a pessoas não-viciadas.
A análise de exames de ressonância magnética revelou alterações nas partes do cérebro relacionadas a emoções, tomada de decisão e autocontrole.
"Os resultados também indicam que o vício em internet pode partilhar mecanismos psicológicos e neurológicos com outros tipos de vício e distúrbios de controle de impulso", disse o líder do estudo Hao Lei, da Academia de    Ciências da China.
                                                            
                                Computadores
A pesquisa analisou o cérebro de 35 homens e mulheres entre 14 e 21 anos. Entre eles, 17 foram classificados como tendo Desordem de Dependência da Internet, após responder perguntas como "Você fez repetidas tentativas mal-sucedidas de controlar, diminuir ou suspender o uso da internet?"
Os resultados então descritos na publicação científica Plos One, que poderiam levar a novos tratamentos para vícios, foram similares aos encontrados em estudos com viciados em jogos eletrônicos.
"Pela primeira vez, dois estudos mostram mudanças nas conexões neurais entre áreas do cérebro, assim como mudanças na função cerebral, de pessoas que usam a internet ou jogos eletrônicos com frequência", disse Gunter Schumann, do Instituto de Psiquiatria do King's College, em Londres.
O estudo chinês também foi classificado de "revolucionário" pela professora de psiquiatria do Imperial College London Henrietta Bowden-Jones.
"Finalmente ouvimos o que os médicos já suspeitavam havia algum tempo, que anormalidade na massa branca no córtex orbitofrontal e outras áreas importantes do cérebro está presente não apenas em vícios nas quais substâncias estão envolvidas, mas também nos comportamentais, como a dependência de internet."

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Longevidade irresponsável


Pessoal, leiam a matéria do Drauzio Varella. Tento colocar somente textos interessantes neste blog. Então, tirem um tempinho, e reflitam!!! Grande abraço...
Em 1900, a expectativa de vida de um brasileiro, ao nascer, era de míseros 33,7 anos.
Nossa espécie desceu das árvores nas savanas da África há pelo menos cinco milhões de anos. Passamos quase toda a história abrigados em cavernas, atormentados pela fome, pelas doenças infecciosas e por predadores humanos e não humanos. A mortalidade infantil era estratosférica; poucos chegavam aos 20 anos em condições razoáveis de saúde.
Milhões de anos de privações moldaram muitas de nossas características atuais. A mais importante delas foi a maturidade sexual precoce. Vivíamos tão pouco, que levavam vantagem na competição as meninas que menstruavam antes e os meninos que produziam espermatozoides mais cedo. Quanto mais depressa concebiam filhos, maior a probabilidade de transmitir seus genes às gerações futuras.
A precocidade da fase reprodutiva impôs limites mais modestos à duração da vida. Em todos os animais, quanto mais tarde acontece o amadurecimento sexual, maior é a longevidade.
Nas drosófilas — a mosquinha que ronda as bananas maduras –, quando selecionamos para reprodução apenas as fêmeas e os machos mais velhos, em três ou quatro gerações a vida média da população duplica. Se nossos antepassados tivessem começado a ter filhos só depois dos 50 anos, agora passaríamos dos 120 com facilidade.
O acompanhamento de coortes de centenários confirma essa suposição: mulheres que engravidam pela primeira vez depois dos 40 anos, têm quatro vezes mais chance de chegar dos 90 anos.
A segunda característica moldada nas cavernas foi nosso padrão alimentar. A arquitetura das redes de neurônios que controlam os mecanismos de fome e saciedade no cérebro humano foi engendrada em época de penúria. Em jejum há três dias, o homem daquele tempo trocaria a carne assada do porco do mato que acabou de caçar, por um prato de salada?
A terceira foi a necessidade de poupar energia. Em temporada de vacas magras, absurdo desperdiçá-la em esforços físicos desnecessários.
Somos descendentes de mulheres e homens que lutavam para conseguir alimentos altamente calóricos, porque deles dependia a sobrevivência da família. Como o acesso a eles era ocasional, nessas oportunidades comiam até não poder mais. Bem alimentados, evitavam movimentar-se para não malbaratar energia.
Durante milhões de anos, nosso cérebro privilegiou os mecanismos responsáveis pelo impulso da fome e pela economia de gasto energético, em prejuízo daqueles que estimulam a saciedade e a disposição para a atividade física.
De repente, veio o século 20, com o saneamento básico, as noções de higiene pessoal, as tecnologias de produção e conservação de alimentos, as vacinas e os antibióticos. Em apenas cem anos, a expectativa de vida no Brasil atingiu os 70 anos; mais do que o dobro em relação à de 1900, feito que nunca mais será repetido.
A continuarmos nesse passo, em 2030 atingiremos a expectativa de 78 anos. A faixa etária que mais cresce é a que está com mais de 60 anos. Sabendo que atualmente 75% dessa população sofrem de enfermidades crônicas, a saúde pública estará preparada enfrentar esse desafio?
Pelo andar da carruagem, é quase certo que não. 
Aos 40 anos você pesa dez quilos mais do que aos 20. Aos 60, já acumulou mais uma arrouba de gordura, não resiste aos doces nem aos salgadinhos, fuma, bebe um engradado de cerveja de cada vez, é viciado em refrigerante, só sai da mesa quando está prestes a explodir e ainda se dá ao luxo de passar o dia no conforto.
Quando se trata do corpo, você se comporta como criança mimada: faz questão absoluta de viver muito, enquanto age como se ele fosse um escravo forçado a suportar desaforos diários e a aturar todos os seus caprichos, calado, sem receber nada em troca.
Aí, quando vem a hipertensão, o diabetes, a artrite, o derrame cerebral ou o ataque cardíaco, maldiz a própria sorte, atribui a culpa à vontade de Deus e reclama do sistema de saúde que não fez por você tudo o que deveria.
Desculpe a curiosidade: e você, pobre injustiçado, não tem responsabilidade nenhuma?
 Veja a matéria na íntegra.

Alongamento não pode gerar dor


Quem faz alongamento todos os dias consegue se movimentar com mais facilidade, principalmente durante as atividades físicas. Assim como o aquecimento, o alongamento é fundamental antes dos exercícios. O alongamento serve como aquecimento dos músculos e articulações. Mas é preciso atenção para não ultrapassar os limites do corpo e acabar causando uma lesão.
É o que explica o ortopedista do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into), vinculado ao Ministério da Saúde, Marcus Vinícius Amaral. “O alongamento saudável é aquele que você sente que está esticando a sua musculatura, mas não está provocando dor. Uma vez que comece a provocar dor, é um sinal de alerta de que você está ultrapassando o seu limite, e talvez não seja mais saudável você ficar insistindo.”

Foto: Corbis Images
A preparadora física Fabiana Veloso ensina como deve ser o alongamento antes do exercício físico. “Quando você vai alongar o importante não é que você estenda muito a sua musculatura. O alongamento é importante para soltar a sua musculatura. Existem aulas específicas sobre flexibilidade e elasticidade muscular. Para você iniciar um exercício, é um alongamento mais de soltura. Você vai alongar suas musculaturas que vão ser trabalhadas como um todo no geral, mas sem chegar a dor.”
A médica Lucila Baldiotti faz alongamento quase todos os dias e conta como o exercício melhora a sua vida. “É muito útil, é como se você estivesse ativando o seu corpo para começar a jornada, e quando chego no fim do dia, eu não estou com tanta dor nas pernas, no pé de ficar trabalhando em pé o dia todo. O principal do alongamento é a mobilidade. É você sentir que consegue se esticar, virar e fazer todos os movimentos sem sentir dor. Eu, particularmente faço mais como uma prevenção mesmo para a minha velhice, para eu ter tônus muscular e mobilidade quando eu estiver mais velha.”O alongamento também deve ser praticado fora das academias contribuindo para a correção postural, seja no ambiente de trabalho ou em casa.
Matéria na íntegra no site.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Ácido fólico pré e durante a gestação previne malformações no bebê


              A gravidez exige uma série de cuidados na vida da mulher. Muitos deles devem ser tomados antes mesmo da concepção, durante o planejamento da gravidez. Para evitar malformações no feto, médicos recomendam a ingestão de ácido fólico, vitamina hidrossolúvel do complexo B, importante para a formação do tubo neural do feto.
              “O ácido fólico participa da bipartição dos cromosomos. Ele é importante para que não ocorra o que nós chamamos de Defeitos do Tubo Neural, conhecido como DTN. É a única prevenção contra esse problema”, explica o ginecologista e chefe do Serviço de Mastologia do Hospital Federal do Andaraí, vinculado ao Ministério da Saúde, Luiz Augusto Santana.
                 O tubo neural do feto começa a se fechar no primeiro mês de gestação. Ele é o sistema nervoso inicial do feto, que formará o cérebro e a medula espinhal do bebê. A deficiência do ácido fólico pode prejudicar o desenvolvimento do tubo neural, causando males como a anencefalia, levando à morte do bebê poucos dias após o nascimento.

             O ginecologista lembra que a prevenção deve ser feita com antecedência. “Como a mulher ainda não sabe em quanto tempo vai acontecer a gravidez, o recomendado é começar a tomar com 3 ou 4 meses antes desse planejamento”. E depois da confirmação da gravidez, a prevenção deve continuar. “Ela deve manter a medicação durante o período de embriogênese, que vai até o terceiro mês da gravidez”, acrescenta Luiz Augusto Santana.
               Apesar do ácido fólico estar presente em diversos alimentos, a quantidade não é suficiente para fazer essa prevenção. “O ideal é que a mulher comece a ingeri-lo de forma medicamentosa. Recomendamos a ingestão de um comprimido de 5 miligramas por dia”, orienta Luiz Augusto Santana. O medicamento é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) assim como o sulfato ferroso, essencial para prevenir a anemia durante a gravidez.

                  O ácido fólico não engorda, previne contra a anemia, assim como o sulfato ferroso, e auxilia o funcionamento do sistema vascular. Verduras de folhas verdes, castanhas, grãos integrais, feijão, tomate e cogumelos são considerados boas fontes de ácido fólico. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), vinculada ao Ministério da Saúde, determinou em 2002 que as farinhas de trigo e de milho vendidas no país também sejam enriquecidas com ferro e ácido fólico.
Matéria na íntegra no link

quinta-feira, 12 de julho de 2012

6° Simpósio Brasileiro de Hansenologia

De 24 a 27 de outubro de 2012.

Maiores informações no link.

Acessem!!

AVC: Atendimento rápido é fundamental para evitar sequelas graves


Você sabe quais são os primeiros sinais de alguém está sofrendo um Acidente Vascular Cerebral (AVC), mais conhecido como derrame? Ochefe do serviço de Neurologia do Grupo Hospitalar Conceição, ligadoMinistério da Saúde, Rodrigo Targa, explica que os primeiros sinais de um derrame são a dificuldade da pessoa movimentar um lado do corpo.
Ela fica enfraquecida e sem coordenação e perde a sensibilidade no rosto, braço ou perna. Quem está tendo um derrame sente dificuldade de falar e entender o que se fala. A pessoa também perde a visão e o equilíbrio e tem dor de cabeça bem forte.
Rodrigo Targa diz que nesses casos o socorro rápido é fundamental para salvar a vida da pessoa e evitar sequelas graves: “A recomendação mundial é que em menos tempo possível se contate com um sistema de emergência, tipo o SAMU mesmo porque eles têm não só a capacidade de intervir no caso, como já fazer a pré-triagem, já fazer a pré-avaliação. A intervenção mais cedo beneficia o paciente a medida que passa o tempo essa intervenção passa a ser menos efetiva a chegar um ponto que ela não é efetiva.”
O músico Diones Aguiar teve um AVC quando estava com 32 anos e graças ao atendimento rápido não ficou com sequelas: “Eu estava no banheiro tomando banho, aí eu senti os cliques na cabeça, aqueles cliques que são explosões na cabeça das veias dos vasos se rompendo aí eu senti muita dor e a dor irradiou e foi aí para nuca. Começou a endurecer o pescoço como se eu estivesse com torcicolo, não mexia mais o pescoço de tamanha dor. Quando eu cheguei ao hospital o médico já olhou para mim e falou isso é AVC e já mandou preparar a UTI. Hoje eu estou sem sequela nenhum por conta desse atendimento rápido mesmo”, relata.
Existem dois tipos principais de derrame. O primeiro é o isquêmico, provocado pelo bloqueio de uma artéria, o que impede o sangue atingir partes do cérebro. O segundo tipo é o AVC hemorrágico, provocado pela ruptura de um vaso sanguíneo, que leva ao derrame de sangue dentro do cérebro.
Veja na íntegra neste link.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Pós-graduação em Acupuntura para nossa área...


Pós graduação em Geriatria



Essa Pós em Psicogerontologia (que tem como público alvo TOs, Assistentes Sociais e Psicólogos), estrategicamente é ensinado o que é de conhecimento comum entre as categorias profissionais referidas e o que é específico de cada área no atendimento psicogerontológico.

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INTERDISCIPLINAR EM CUIDADOS DE SAÚDE E INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA


Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais
CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INTERDISCIPLINAR EM CUIDADOS DE SAÚDE E INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA
Coordenação: Maria Aparecida Ferreira de Mello.
Carga horária e modalidade do curso460 (quatrocentos e sessenta) horas, presencial
Período e Periodicidade: O curso terá a duração de 11 meses, com encontros quinzenais. Horário das aulas: sextas-feiras das 18:00 às 22:00 horas e sábados das 08:30às 17:30 horas.
Por quê vale a pena fazer o curso:
Em novembro de 2011, o governo brasileiro lançou o Programa Viver Sem Limite que visa atender intersetorialmente aos cidadãos brasileiros com deficiências. As políticas envolvidas no programa são intersetoriais e envolvem saúde, educação, direitos humanos, desenvolvimento social e econômico, acessibilidade e inserção no mercado de trabalho em ações com orçamento de R$ 7,6 milhões. De acordo com a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, o programa prevê a disponibilização de 2.609 veículos acessíveis para transporte escolar; criação de pelo menos 150 mil vagas de qualificação profissional; busca ativa de crianças e adolescente com deficiência que estão fora da escola, por meio do BPC na Escola; implementação de 200 residências inclusivas; construção de um Centro-Dia de Referência em cada Estado; contratação de 1,2 milhão de casas adaptáveis no Minha Casa, Minha Vida 2; introdução de novos exames para identificação precoce de deficiências; definição de diretrizes terapêuticas; implantação de 45 novos Centros Especializados de Reabilitação em todo o país; entre outras.
Recorrendo aos princípios vigentes fundamentais do Ministério da Saúde, “é através da intersetorialidade, ou seja, da relação propositiva entre os setores responsáveis pelas ações que se referem à qualidade de vida do homem, como saúde, educação, habitação, trabalho, cultura, entre outras” que é possível a promoção, recuperação e manutenção da saúde de formar a otimizar as habilidades funcionais do indivíduo. A intersetorialidade acontece, quando esses setores trabalham em conjunto, construindo parcerias, unindo esforços e somando recursos financeiros e humanos para alcançar um objetivo comum.”
Dessa forma, torna-se fundamental capacitar os técnicos de nível superior e médio dos principais setores que devem trabalhar interdisciplinariamente e intersetorialmente na implementação da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde, e promover a inclusão das pessoas com deficiência no estado .
OBJETIVOS
Geral:
Criar especialistas interdisciplinares em cuidados de saúde e inclusão da pessoa com deficiência de acordo com a Portaria 793 do Ministério da Saúde , de 24 de abril de 2012.
Objetivos Específicos:
  • Atualizar o conhecimento dos alunos participantes quanto aos direitos das pessoas com deficiência em todas as suas instâncias.
  • Discutir a epidemiologia e demografia das deficiências no Brasil, suas etiologias, meios diagnósticos e prognósticos.
  • Compreender e discutir as políticas intersetoriais de garantia e promoção dos direitos das pessoas com deficiência, principalmente às da saúde e educação.
  • Conhecer, discutir e atualizar os fundamentos e aplicações da reabilitação baseada em evidências.
  • Aprimorar e atualizar as habilidades dos profissionais na promoção dos processos de reabilitação auditiva, física, intelectual, visual, ostomia e múltiplas deficiências;
  • Orientar aos alunos acerca do desenvolvimento e aplicação de técnicas e ações de prevenção e de identificação precoce de deficiências na fase pré, peri e pós-natal, infância, adolescência, vida adulta e envelhecimento;
  • Ensinar aos profissionais de saúde, educação, direitos humanos e/ou desenvolvimento social os fundamentos da oferta de Órtese, Prótese e Meios Auxiliares de Locomoção (OPM), e produtos assistivos por meio do SUS;
  • Aprimorar e atualizar as habilidades dos profissionais de saúde, educação, direitos humanos e/ou desenvolvimento social na reabilitação e a reinserção das pessoas com deficiência, por meio do acesso ao trabalho, à renda e à moradia solidária, em articulação com os órgãos de assistência social;
  • Discutir, conhecer e desenvolver mecanismos de formação permanente para profissionais de saúde de todas as categorias e níveis profissionais;
  • Ensinar como desenvolver estratégias para a realização de ações intersetoriais de promoção e prevenção à saúde em parceria com organizações governamentais e da sociedade civil;
  • Ensinar e divulgar junto aos profissionais a estes profissionais, técnicas de produção e oferta de informações acerca dos direitos humanos; principalmente sobre as das pessoas com deficiência; medidas de prevenção e cuidado e os serviços disponíveis na rede, por meio de cadernos, cartilhas, manuais, ações artísticas e culturais, entre outras possibilidades;
  • Desenvolver as habilidades dos alunos de forma ao desenvolvimento de ações de regulação e organização das demandas e dos fluxos assistenciais da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência;
  • Aprimorar métodos e técnicas para a construção, produção e análise de indicadores capazes de monitorar e avaliar a qualidade dos serviços e a resolutividade da atenção à saúde, principalmente da saúde das pessoas com deficiência.
  • Criar condições para que os alunos, individualmente, realizem um projeto de pesquisa (desde a ideia inicial, até a publicação dos resultados) acerca do tema “Cuidados de Saúde da Pessoa com Deficiência e Inclusão”.

  • PÚBLICO ALVO
Profissionais de nível superior que atuam na saúde, educação, direitos humanos e/ou desenvolvimento social. (todas as categorias profissionais, desde que comprovem atuação em uma dessas áreas)
Critério de seleção: Compatibilidade do currículo profissional do candidato aos objetivos do curso proposto; Habilidade e conhecimento para leitura e compreensão de bibliografia aplicada durante o curso em língua inglês e/ou espanhol, quando determinado pelo docente responsável, quando ocorrer como única fonte disponível da informação
Vagas por turma: 30
Disciplinas:
Estudo da deficiência no Brasil
Reabilitação Interdisciplinar das deficiências auditiva, física, intelectual, visual, ostomia e múltiplas
Prevenção e Deficiências nos diversos ciclos da vida
Tecnologia Assistiva
Técnicas de Pesquisa aplicadas à qualidade da gestão de serviços de saúde da pessoa com deficiência
Educação de Usuários e Servidores do SUS
Desenvolvimento da Intersetorialidade na Atenção à Pessoa com Deficiência
Regulação e Gestão de Cuidados à Pessoa com Deficiência
Seminário de Conclusão do Curso
Inscrições e informações : cursos@ciape.org.br ; 31 3443 2200

Recebi e coloquei no blog: Curso sobre crianças autistas.


quinta-feira, 5 de julho de 2012

Mais um curso pessoal...



Oficina de Máscaras


Objetivos:

* Criar máscaras com vários materiais
* Refletir sobre a simbologia das máscaras
* Identificar  máscaras sociais e suas funções


Através de técnicas de arteterapia,  materiais expressivos  e florais de Bach



Caroline Tavares
Psicóloga CRP14314/05 | Arteterapeuta AARJ172 | Practitioner de Bach BZP 2012-0130E


Dias 12, 19 e 26 de julho
5ª feiras de 19h às 20h30

Valor: R$120,00



Confirme sua presença  pelo telefone 021 8624-0342


                                                         

Local: Ingá | Niterói

Participe!!! Divulgue!!!

terça-feira, 3 de julho de 2012

3º Fórum Internacional Síndrome de Down – Quem eu seria se pudesse ser


Data 01 a 04 de Agosto de 2012

Objetivo
Trocar experiências e refletir a respeito do novo paradigma social da pessoa com deficiência intelectual. Distanciar-se da visão médica e aproximar-se do indivíduo que é além da deficiência.

Local Auditório do Centro de Convenções da Unicamp 
Av. Érico Veríssimo, s/n – Unicamp – Barão Geraldo
Informações e inscrições acessehttp://www.fsdown.org.br/forum/